Hana no Kishi - NISHIKATA Mai (Resenha)

Boa tarde manolos!! Quanto tempo lol~
Hoje volto depois de séculos (como sempre, eu tardo mas não saio daqui) venho trazer uma resenha de um mangá que li essa semana e simplesmente me cativou. Minhas mãos não pararam quietas até que eu sentasse na cadeira e abrisse meu blog pra tagarelar sobre! 


Hana no Kishi é um mangá shoujo, de drama e ação. Bem diferente dos shoujos que costumamos ler, e acho que por isso me encantou mais ainda.

Para quem não se lembra, eu sou uma amante muito grande de shoujos, porém, é verdade que assim como outros gêneros, muitos títulos vem seguindo a mesma linha de enredo e é meio tedioso ler as mesmas coisas. Quanto aos romances eu nunca reclamei, afinal, é isso que me faz ler todos. Com esse mangá, na verdade, eu estava lendo outro título da autora, uma oneshot que eu encontrei perdida por aí e fui caçar mais coisa porque eu achei a arte dela super linda.
Não imaginei, no entanto, encontrar um mangá com um enredo que envolve lutas e tudo mais. 

Sinopse (retirado, modificado e traduzido de baka-updates): Após a morte do seu irmão mais velho, Ran Kunoro dedica sua vida e habilidades para se tornar Primeiro Cavalheiro da família Ohtori, escondendo o fato de ser uma mulher para proteger Sei Ohtori, a futura Líder da família. Sei, juntamente de Ran, estão sendo testadas para ver se ela é adequada para ter o título de chefe da família. Ao entrar na Saint Locks Academy, o treinamento diário de Ran e Sei começa, contando sempre com a ajuda do noivo desajeitado de Sei, Ibara Tennou.

---------------------Este texto pode conter spoillers, porém, de maneira nenhuma é uma resenha crítica; e sim spoillers para incitar o leitor a ler o título -----------------------

Eu estou tentando tirar um pouco do layout que eu uso lá no Yao Toshokan para trazer um pouco mais de organização aqui no blog, espero que gostem. Antes eu fazia a sinopse E a resenha num único texto, então estou começando a separar de vez as duas coisas por aqui.

Quando comecei a ler, eu jurava que a Ran era um menino -q Embora em várias cenas parecesse que não pra quem já tá mais ligado, eu fiquei confusa com a arte da autora, que não faz homens muito másculos (embora no decorrer do mangá eles aparecem bastante, como coadjuvantes). O irmão mais velho da Ran foi assassinado quando eles eram crianças, defendendo a Sei. E então, ela, que até então vivia uma vida normal de garota em companhia dos outros, fechou-se ao mundo como mulher e então passou a ser o Primeiro Cavaleiro da família Ohtori; como um respeitável e lindo me pega homem.

<~ Como podem ver na página do lado, a primeira aparição da Ran, é meio que ÓBVIO que é homem. Até porque ela é do tipo mulher fortona, mais alta e sem peitos (e eu fico me perguntando se todos nesse mangá são anoréxicos porque a autora é magérrima desse jeito também -q).

Eu fui ler sem nem ler a sinopse, então basicamente eu me surpreendi mais do que deveria com o fato da Ran ser mulher, embora isso seja explicado logo no começo. A história é que; como a família Ohtori, a quem Ran deve proteger, é muito importante, vive sendo alvo de inimigos mortais, a quais querem vê-los derrubados.

A Academia/Escola onde elas vão estudar é justamente para ver se elas serão capazes de superar tudo isso e serem a próxima geração dos Ohtori e dos Kurono. O motivo disso está muito além do que  eu imaginaria num mangá que começa simples.

Esse cross-dressing que acontece no enredo não é necessariamente a história principal, como por exemplo em outros casos a garota fica tentando ao máximo não ser descoberta; mas sim, nas batalhas que ela tem que enfrentar como 1º Cavaleiro. Além dele, existem outros cavaleiros normais, que vestem luvas brancas (ele é o único com luvas pretas) e bem, é o mais importante. Contudo, toda vez que algum cavaleiro normal com luvas brancas o desafiar para uma batalha, ele terá de aceitar e vencer; e caso perder, o título de Primeiro Cavaleiro passará a ser o vencedor.

Contudo, o noivo de Sei, Ibara Tennou, acaba descobrindo o verdadeiro gênero de Ran em um pequeno acidente. Ao contrário do que se esperaria, ele sempre fica ao lado dela para protegê-la e assim nasce não somente uma aliança entre Sei e seu noivo, mas digamos assim, o trio-amigos-do-peito (saudades Furuba, desculpa gente) de lá. E Miyaneo, onde entra o romance, vocês me perguntam?


Nem sempre Ran é capaz de suportar todo o fardo que é ser o Primeiro Cavaleiro, e, aos poucos, ele/ela começa a confiar mais no Tennou. Até porque na Sei ele/ela já confia 220%, né gente. Eu pensava que iria acontecer algum triângulo amoroso terrível e que se estenderia até virar a trama principal, mas fui surpreendida novamente quando a trama seguiu-se nos conflitos de família e nas batalhas. Virou até um pouco shounen, com aquele negócio de "confiar nos amigos", após a Ran derrotar diversos cavaleiros e eles se tornarem importantes aliados na luta de proteger a Sei até sua formatura.
Os desejos de Sei também são importantes fatores na história, onde ela explica o que pretende fazer após conseguir a liderança na família e o caminho que ela decidiu seguir, mais determinada que a Ran mesmo jogando fora sua vida como mulher para ficar ao lado daquela em que o futuro da família está nas mãos.

Um dos pontos muito, MUITO positivos nesse mangá e eu que eu não estou nem conseguindo encaixar aqui direito na resenha é que os personagens são bem trabalhados e aparecem bastante, mas não fica aquela coisa chata de que os amigos começam a interferir na relação amorosa que vai crescendo entre os personagens. Os protagonistas são sempre Tennou, Sei e a Ran; embora outros cavaleiros apareçam frequentemente. E mesmo assim, ninguém mais sabe da verdadeira identidade dela. Os ideais de Ran mudam conforme ela vai começando a confiar mais nos companheiros dela, e ao mesmo tempo, ela fica mais forte. Ou seja, mesmo ela sendo mulher, é a bad-ass da história sempre querendo proteger com o máximo de sua força a todos. É AQUELES MANGÁS QUE EU FICO URRANDO LENDO PORQUE A MULHER QUE GERALMENTE É A MAIS FRACA É FODONA HEOAHEAHOEHO -qq

Conclusão: O final do mangá não me deixou mais satisfeita, tendo 5 Volumes finalizados e com os personagens mais decididos do que nunca em seus caminhos. Acontece várias reviravoltas e PLOT TWIST *BLOW MIND* é o que não falta no decorrer dela, principalmente na reta final; o que não deixa você se cansar e pensar "poxa, só vai ficar nessas disputas de Cavaleiros pra sempre?". Apesar disso, não é um enredo inovador, mas sempre com um caminho alá Shoujo com um toque especial. 


Um ponto importante é que o Tennou entende a Ran e os desejos de proteger o que é importante para ela mais do que qualquer coisa, porque ele começa a se sentir exatamente do mesmo jeito, embora os sentimentos para com ela.

E em vez de tentar tirar ela desse caminho em que muitos já trilharam com sangue e morte, ele sempre fica do lado dela, mostrando-se presente e que ao contrário do que sua imagem de desleixado passa, ele é sério e muito concentrado nas coisas importantes. É o típico personagem que é todo "airhead", mas quando a coisa fica preta é o primeiro a se mover e a fazer a decisão.

Eu dou um rating de aproximadamente 8/10 para este mangá, porque por mais que ele seja todo trabalhado, eu queria mais shoujo rçr~r~r romances, meus caros. Não somente isso, mas também pelo fato de que algumas coisas você já espera acontecer, mas isso é meio que minha opinião porque como eu disse, plot twist é o que não irá faltar na leitura dele.

Espero que vocês possam ler Hana no Kishi e as outras obras dessa mangaká que eu gostei muito, embora apenas esse título que eu vi que foi mais sério (os romances dela são bem fofos!).

Obrigada se você leu até aqui, qualquer coisa estou sempre respondendo os comentários. Desculpa estar sumida assim, mas eu sempre volto. E aliás, eu continuo postando no Yaoi Toshokan, para quem curte Yaoi's e resenhas. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Hunter x Hunter (2011) - E o inesperado acontece!

Animes Yaoi -kawaii, sem shota, sem violência, Puro-

Dia do irmão